Prédios de SP – Edifício Montreal projetado por Oscar Niemeyer

Quando falamos sobre obras de Oscar Niemeyer existem alguns edifícios que rapidamente vem à mente, como o Eiffel, Copan e Triângulo. Mas existe um charmoso edifício concebido em 1954, que chamou atenção não só por sua sinuosa arquitetura mas, também, por burocracias com a prefeitura na época.

Trata-se do edifício Montreal, localizado entre as Avenidas Cásper Líbero e Ipiranga. Ele foi o primeiro projeto de Niemeyer concebido em São Paulo e foi encomendado pelo Banco Nacional Imobiliário.

Vamos descobrir mais sobre ele ao longo do artigo!

Uma história peculiar

As criações de Oscar Niemeyer tem o objetivo de emocionar e suas estratégias possuem criatividade como principal pilar. E dessa vez, não foi diferente.

A peculiaridade na história da obra Montreal, é que seu processo de aprovação foi repleto de contestações por parte do poder público. Isso fez com que Niemeyer precisasse recriar detalhes do projeto para atender às leis governamentais.

Foram apontadas irregularidades como a altura da obra, que, por passar de 52 metros e ser uma edificação de esquina ‘’deveria ter um recuo de 2 metros nos andares superiores’’. Além disso, a ventilação e iluminação também entraram em pauta.

Enquanto tudo isso acontecia, existiam fatores que causavam grande pressão sobre os prazos: a enorme veiculação da mídia e consequente atenção promovida por ela, incluindo anúncios do solicitante da obra – o Banco Nacional Imobiliário.

Do outro lado, Niemeyer precisava usar sua genialidade para resolver uma questão: como cumprir com a legislação sem comprometer a estética do projeto. E ele não decepcionou.

Para promover ventilação, iluminação e manter o padrão de beleza da fachada, a solução proposta foi construir porções laterais. Elas foram encobertas por uma fachada de abertura quadrada sobre superfície lisa, passando longe do aspecto das usuais janelas de fita e brises.

Seu design foi elaborado de modo que as encostas sequer passam por nossa percepção como parte do edifício, e a obra ainda ficou reconhecida por essa inovação. No mínimo, genial.

Para que não existissem barreiras em seu entorno – necessárias em prédios residenciais – Niemeyer construiu espaços comerciais no térreo da edificação.

Finalmente, o que teve início em 1950 recebeu aprovação após dois anos, em 1952. Com muita pressão e cobertura midiática, sua construção foi rápida e a entrega da obra aconteceu em 1954.

Hoje, com 21 andares, 230 apartamentos tipo estúdio, subsolo, térreo e uma recente restauração, a obra encanta não só aos moradores e apreciadores da arquitetura, como a todos que passam por lá.

Interessante né? Nada melhor do que saber que por trás de um belo resultado, há também uma história.