Prédios de SP: Edifício Matarazzo

Construído entre os anos de 1937 e 1939, o Edifício Matarazzo está localizado no Viaduto do Chá, no Centro Histórico de São Paulo. Considerado um dos cartões-postais da cidade, a construção recebeu esse nome por pertencer a Francisco Matarazzo Jr e abrigar a Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo (IRFM). 

Projetado pelo escritório de arquitetura Severo & Villares e reformulado pelo arquiteto italiano Marcello Piacentini, o edifício traz diversas referências da arquitetura italiana no período fascista. 

Entre elas, podemos ressaltar o fato da construção ser revestida em mármore travertino externamente e nos dois pilares do saguão de entrada. Nele também está presente um mosaico feito pelo artista plástico italiano Giulio Rosso, cuja obra faz uma alusão ao Brasil e todas as suas características. Nele, é possível verificar a ortografia utilizada naquele período e a divisão administrativa da época.

Ainda na área de acesso, são encontrados cinco painéis que representam os ramos de negócio em que a Família Matarazzo atuava: metalúrgica, química, agricultura, comércio e tecelagem. Por questões de superstições comuns na época, o Edifício Matarazzo conta com 14 andares, porém sem o décimo terceiro andar. Em seu terraço, há um belíssimo jardim com diversas espécies vegetais, além de um pequeno lago.

Em 1972, o local foi vendido para o Grupo Audi e, em 1974, foi adquirido pelo Banco do Estado de São Paulo, o Banespa. O prédio permaneceu aos cuidados do banco até ser privatizado, em 2004, onde foi cedido à Prefeitura de São Paulo como forma de negociação de dívidas. 

Desde então, o Edifício Matarazzo tornou-se o Gabinete Oficial da Prefeitura de São Paulo. O local recebe visitas diariamente, em grupos de 10 pessoas, que permite conhecer mais sobre a história da construção e também da cidade, além de apreciar a vista do centro da cidade em seu topo.