Conheça 7 dicas essenciais para planejar uma reforma em condomínio

Antes de marcar uma reforma em condomínio, é preciso ter conhecimento sobre a documentação necessária para que a intervenção possa ser feita. Mesmo em caso de pequenas obras, é fundamental que um profissional emita um laudo técnico que comprove a viabilidade da execução do projeto. 

Com isso, é possível evitar inúmeros problemas com os condôminos e, inclusive, em relação à segurança do empreendimento. Assim, o síndico deve organizar-se para cuidar de todos os detalhes, como a papelada exigida, a questão do orçamento e a votação que autoriza o início da obra.

Ficou curioso? Então, continue a leitura e conheça 7 dicas essenciais para que a reforma em condomínio seja bem planejada. Acompanhe!

Entenda as normas para a execução da reforma em condomínio

Realizar uma reforma, geralmente, é sinônimo de dor de cabeça, mas saiba que, tomando alguns cuidados, é possível executá-la sem grandes dificuldades. Atualmente, a NBR 16.280, criada pela Associação Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT), é a norma responsável por delimitar as regras para esse tipo de intervenção em edifícios.

A principal proposta é regulamentar como as reformas devem ser feitas, certificando a segurança da construção e de todos que compartilham do empreendimento, como condôminos, visitantes, funcionários e também os vizinhos. Essa norma cabe para prédios residenciais, comerciais, condomínios horizontais e, até mesmo, para shoppings.

Assim, ela é a forma mais segura de analisar a viabilidade das obras, explicando como as mudanças devem ser realizadas e como se dá o processo de solicitação, análise e vistoria do imóvel. Com isso, a administração adquire o embasamento técnico que servirá como permissão para que a reforma ocorra.

Para isso, o síndico, ao receber um pedido de obra por um morador, deve averiguar todos os detalhes da documentação e, ainda, considerar as regras da convenção e do regimento interno do imóvel. Isso pode evitar que os usuários do prédio sejam incomodados fora do horário ou dia previstos para a intervenção. 

Conheça 7 dicas para fazer a reforma em condomínio

Os moradores devem ter em mente que qualquer tipo de modificação na estrutura do empreendimento deve passar pelo aval do síndico. Isso porque muitos proprietários acreditam ter o direito de fazer reformas a qualquer momento sem autorização. Porém, todos os projetos devem ser fiscalizados antes de serem executados.

Caso isso não seja cumprido, o morador responsável pode ser impedido de continuar a obra, cabendo, até mesmo, uma ação judicial nesse caso. Sem contar que transtornos e constrangimentos podem surgir entre os vizinhos, o que prejudicaria diretamente a convivência e o bem-estar de todos.

Por isso, confira, a seguir, 7 dicas para que você entenda como levar adiante uma reforma em condomínio da melhor forma.

1. Conheça as normas 

Antes de conceder uma autorização para um pedido de obra ou manutenção, tenha em mãos a norma da ABNT. Com isso, averigue cada detalhe da documentação recebida do morador e utilize um modelo específico para dar retorno ao condômino.

Não se esqueça de que a convenção e o regimento interno devem ser consultados para que se possa estabelecer quais são os dias e horários adequados para a execução da construção, sem que os demais usuários sejam incomodados no período. 

2. Faça a aprovação das obras em assembleia

Certos tipos de reformas exigem a aprovação máxima da assembleia dos moradores para que possam ocorrer. É o caso, por exemplo, das obras úteis e necessárias para o bom funcionamento do empreendimento. Quando existirem casos mais emergenciais, relacionados à infraestrutura ou à vida dos condôminos, a administração não tem a obrigação de convocar uma assembleia para obter o aval para a intervenção.

3. Realize o rateio das despesas da obra

Um ponto que, muitas vezes, gera dúvidas é em relação a como deve ser conduzido os custos das reformas. A convenção do imóvel é o principal documento responsável por regulamentar esse tipo de norma, porém, caso não exista nenhuma indicação, o rateio das despesas deve ser feito de acordo com a fração de cada unidade imobiliária. Além disso, é fundamental saber quem deve pagar pelas melhorias, no caso, o locador ou o proprietário.

4. Comunique as datas e horários

A fim de evitar maiores problemas ou situações inconvenientes que possam prejudicar o bom convívio, é fundamental comunicar previamente a assembleia dos dias e horários específicos para as reformas. Os comunicados podem ser feitos por meio de um modelo específico, detalhando o projeto e os motivos da execução da obra.

5. Verifique todos os acordos do contrato

Antes de contratar uma construtora ou empresa responsável pelas manutenções, fique atento a cada cláusula do contrato. Lembre-se de que o acordo é o documento que regulamenta os direitos e deveres das partes, portanto, ele deve ser analisado com bastante atenção.

Verifique também se a prestadora de serviços disponibiliza todos os equipamentos necessários para a segurança dos seus funcionários e, ainda, se ela garante o acompanhamento da reforma após sua finalização.

6. Dê atenção redobrada à segurança

Nos dias e horários previstos para a obra, é essencial sinalizar os locais que estão sofrendo modificação, a fim de que os moradores e funcionários não corram riscos. Também é importante ter um cuidado extra com o entulho, pois ele não deve ser acumulado nos ambientes comuns do condomínio. Dessa forma, assegure um local específico para armazená-lo ou descartá-lo sem causar incômodos aos transeuntes.

7. Acompanhe a obra

Por fim, o síndico tem o dever de fiscalizar a reforma, e isso deve ser feito, no mínimo, uma vez por semana. Além de garantir que o projeto está sendo cumprido corretamente, ele adquire a garantia de que as normas de segurança também são seguidas à risca. Assim, caso exista qualquer tipo de irregularidade na obra, a administração deve solicitar sua paralisação imediatamente.

Antes de realizar a reforma em condomínio, esteja atento a todos os detalhes, principalmente em relação à legislação. Lembre-se de que o síndico é o principal responsável pela mediação dessas situações no empreendimento, por isso mesmo, é fundamental que sejam realizadas vistorias após a execução da obra para confirmar se não ocorreram problemas ou danos estruturais no edifício. Com isso, são garantidos a segurança e o bem-estar de todos.

Gostou do nosso conteúdo? Aproveite a visita e descubra também como tratar trincas na fachada do empreendimento. Até a próxima!